LINFEDEMA DOS MEMBROS INFERIORES

Popularmente conhecido como ELEFANTÍASE, o linfedema pode levar, nos casos mais graves,  a deformidades importantes dos membros inferiores causando dificuldade para as atividades do dia a dia e piora na qualidade de vida. 


Ele decorre do mau funcionamento dos vasos linfáticos os quais tem função de retirar o excesso de líquido das células e retorná-lo para o sangue, bem como de cuidar da defesa do organismo contra as bactérias e outros agentes infecciosos.

 Essa deficiência dos vasos linfáticos pode ser congênita (desde o nascimento) ou adquirida, primária ou secundária à eventos como acidentes, cirurgias, infeções de pele que acometam os membros inferiores.
Ocorre  tanto em  homens quanto em  mulheres,  em qualquer idade e tende a se agravar com o passar dos anos. São sinais e sintomas da doença:

  • inchaço nas pernas que se agrava ao final do dia
  • dor
  • sensação de peso
  • vermelhidão
  • espessamento da pele e deformidade dos membros inferiores 
  • coceira 
  • formação de feridas de difícil cicatrização.

Como a linfa participa da defesa do corpo, deficiência do sistema linfático geralmente cursa com infecções bacterianas (celulite, erisipela) de repetição e/ou infecções fúngicas de pele que podem se cronificar (persistir apesar de tratamento adequado).
O diagnóstico é clínico, após avaliação detalhada do paciente e a confirmação é feita com o exame de linfocintilografia dos membros inferiores.


O tratamento tem como pilares mais importantes:

  • medicamentos que auxiliam na circulação da linfa
  • terapias compressivas (meias, bandagens)
  • drenagem linfática terapêutica 
  • cirurgias para remoção de excesso de pele e correção das deformidades nos casos mais avançados (mediante avaliação individualizada) 
  • tratamento das feridas, quando houver
  • tratamento e prevenção das infecções oportunistas.

É importante saber que se trata de uma doença crônica e que, portanto, há controle mas não há cura. O quadro tende a piorar nos meses mais quentes do ano e em pacientes que permanecem por longos períodos em pé ou sentados com os membros inferiores pendentes.


Faz parte do cuidado pessoal desses pacientes a higienização das pernas e dos pés, mantendo-os bem hidratados e secos, evitando rachaduras e micoses que representam “portas de entrada” para bactérias e fungos que podem se instalar, agravando o quadro.


O linfedema é uma doença que merece acompanhamento regular do cirurgião vascular a fim de evitar os períodos sazonais de piora, bem como de prevenir e tratar precocemente as infecções e feridas que possam ocorrer.


PROCURE SEU CIRURGIÃO VASCULAR, CUIDE DA SUA SAÚDE, PREVINA-SE